PROGRAMAS / ÁREA SOCIAL







Um pouco de história da atividade social de APK

APK intendeu que não é possível melhorar o meio ambiente sem o envolvimento da área social. O conhecimento è a base da cidadania e do melhoramento do meio ambiente.

Assim junto a proteção do meio ambiente, APK comencou programas sociais para a melhoria da área social.

A APK recebeu uma doação de 150 kilos de roupas que foi doada as comunidades pobre na cidade de Salvador.

Da Itália APK recebeu uma doação de livros italianos da Bonelli Editore que foram usados para a criação da livraria internacional.

Pela sua atividade na área social APK obtive a afiliação ao UNODC (organismo da ONU contra o crime).

Agora a APK està atendendo o segmento das crianças e pessoas carentes e da comunidade indígena na cidade de Ilhéus, na Bahia, Brasil. Nosso projeto principal é a Casa da Cidadania.

Casa da Cidadania de Ilhéus


O projeto Casa da Cidadania tem como objetivo promover e facilitar o desenvolvimento local. Para isso, opera em três eixos de atuação: - Acesso aos Direitos Sociais Básicos, Empreendedorismo , Advocacy.

Porquê Ilhéus?

O município de Ilhéus está localizado na Região Nordeste Brasileira, no Sul do Estado da Bahia, abrangendo uma área de 1.841 km² e com uma população de 222.127, segundo o censo de 2000 (IBGE, 2006). O agravamento nas questões de emprego, renda e habitação, por causa da acentuada expansão urbana, resultado da migração da população rural frente à crise da lavoura cacaueira e do desenvolvimento turístico e industrial, torna a cidade pólo de atração com o surgimento de novas favelas, da intensificação da marginalidade, aumento de desemprego e da criminalidade.

Descrição dos grupos-alvo e dos beneficiários finais da Casa da Cidadania de Ilhéus.

Grupos-alvo e os beneficiários finais da nossa proposta são pessoas de baixa renda. Eles vivem em locais, extremamente carentes, sem infra-estrutura.

Em Ilhéus o acesso de pessoas de baixa renda a direitos sociais básicos, a empregos de qualidade e a justiça è difícil, dada a falta de instrução, de qualificação e de conhecimentos jurídicos das pessoas carentes. Precisam atividades educacionais, de formação profissional e de esclarecimento a lideranças comunitárias, religiosas, comerciantes, associações de bairro.